Efeito Placebo na Medicina Alopática e Homeopática – Opinião Folha de São Paulo

opinião: Marcus Zulian Teixeira: O efeito placebo na medicina alopática e homeopática 11/06/2015 Opinião Folha de S.Paulo
http://www1.folha.uol.com.br/opiniao/2015/06/1640480marcuszulianteixeiraoefeitoplacebonamedicinaalopaticaehomeopatica.

PUBLICIDADE
OPINIÃO
Marcus Zulian Teixeira: O efeito placebo na medicina alopática e homeopática
11/06/2015 02h00

Na matéria A cura pela expectativa: o efeito placebo e a pseudomedicina (Ilustríssima, 17/05/15), Hélio Schwartsman utilizou conhecimento irrisório sobre o  “efeito placebo” para criticar a homeopatia e a acupuntura, especialidades médicas reconhecidas pela Associação  Médica Brasileira, ensinadas nas faculdades de medicina, disponibilizadas no SUS e com dezenas de milhares de médicos praticantes no Brasil.

Por ter estudado este tema na minha tese de doutorado (continuando o estudo no meu pós-doutorado), gostaria de esclarecer alguns pontos enviesados de sua análise e sugerir leitura científica imparcial sobre o assunto.

No texto, ele relaciona os “efeitos específicos” destas terapêuticas, exclusivamente, aos “efeitos não específicos” da sugestão (efeito placebo), desprezando os inúmeros estudos científicos favoráveis a estes métodos de tratamento e valorizando, apenas, os estudos desfavoráveis, muitos deles enviesados (como é o caso da metanálise contrária à homeopatia publicada no The Lancet em 2005).

Em seu discurso pseudocientífico e contraditório, critica de forma explícita e parcial apenas a homeopatia e a acupuntura, apesar de concluir que o efeito placebo ocorre igualmente com os tratamentos convencionais, pois os “laboratórios conseguem produzir estudos que pintam um quadro muito mais favorável a suas drogas do que deveriam”, evidenciando o enorme conflito de interesses que existe na pesquisa científica da “verdadeira” medicina.

Aos interessados nas “evidências científicas” que respaldam o modelo homeopático (princípio da similitude e uso de doses ultradiluídas), assim como as limitações no emprego desta terapêutica, sugiro acessarem o site http://www.homeozulian.med.br.

Em editorial posterior (Os ricos também choram, 20/05/15), buscando justificar a comprovada eficácia da homeopatia e da acupuntura em animais e bebês (não sujeitos ao efeito placebo), afirma que ela ocorre porque “a maioria dos pacientes (ou seus tutores) tende a procurar tratamento quando o processo patogênico está no auge ou próximo dele” e que “a menos que a moléstia seja fatal e a maioria não o é o mais provável estatisticamente é que os sintomas regridam”.

Nessa colocação, o “filósofo” demonstra total desconhecimento em “medicina” e na evolução natural da maioria das doenças crônicas não fatais (totalidade das enfermidades modernas e principal campo de ação da homeopatia e da acupuntura), as quais só tendem a piorar o seu curso e os seus sintomas com o passar dos anos,  além de terem seu estado agravado pelos eventos adversos das drogas convencionais em uso contínuo e prolongado.

Como os leitores poderão constatar em literatura científica, o “efeito placebo” é observado em qualquer terapêutica, com seus mecanismos psiconeurofisiológicos estudados e descritos. Em todo tratamento, os efeitos terapêuticos relacionam-se a dois tipos de fatores: ‘específicos’ (dose, duração, via de administração, farmacodinâmica, farmacocinética, etc.) e ‘não específicos’ (evolução da doença, aspectos socioambientais, variabilidade inter e intraindividual, expectativa de melhora no tratamento, relação médico-paciente, características da intervenção, etc.).

O fenômeno placebo faz parte destes últimos, estando na “expectativa consciente” por melhoras o principal mecanismo indutor, que pode ser incrementado pelo “condicionamento inconsciente”, adquirido em experiências pregressas positivas, e pela “relação médico-paciente”.

Com a introdução dos ensaios clínicos placebos-controlados, padrão-ouro para avaliar a eficácia das terapêuticas, relatos frequentes de melhoras clínicas significativas nos grupos controle demonstram que a intervenção placebo pode causar efeitos consideráveis em inúmeras doenças.

Revisões sistemáticas de ensaios clínicos placebos-controlados com tratamentos “convencionais” evidenciam esta resposta placebo (% de melhora): doença de Crohn  (19%), síndrome da fadiga crônica (20%), síndrome do intestino irritável (40%), colite ulcerativa (27%), depressão maior (30%), mania (31%), enxaqueca (21%), dentre outras.

De forma análoga, revisões sistemáticas de ensaios clínicos placebos-controlados que compararam a magnitude do efeito placebo entre os tratamentos convencional e homeopático, nas mesmas doenças, constataram efeitos semelhantes em ambas terapêuticas (20-30% de melhora). Assim como nos tratamentos convencionais, essa pequena melhora inicial não explica a eficácia da homeopatia e da acupuntura nas doenças crônicas renitentes, comumente observada em pacientes que as buscam como alternativas após décadas de insucesso com as terapêuticas convencionais.

Concluindo, o efeito placebo é observado em qualquer intervenção terapêutica, em vista da importante natureza psicogênica da maioria das doenças, não podendo ser utilizado, exclusivamente, de forma pejorativa na crítica aos tratamentos “não convencionais”.

Como descrevemos no título do artigo anteriormente citado, o fenômeno placebo é uma “evidência científica que valoriza a humanização da relação médico-paciente”, aspecto que deveria ser resgatado pela medicina cientificista moderna.

MARCUS ZULIAN TEIXEIRA, 57, médico e pesquisador homeopata, pós-doutorando da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP)

9 ideias sobre “Efeito Placebo na Medicina Alopática e Homeopática – Opinião Folha de São Paulo

  1. Ranye Aguiar

    Acupuntura Coreana nas Mãos (Sem Agulhas) apresenta uma técnica inédita e revolucionária para auxiliar nos tratamentos de diversas doenças e enfermidades. Eu super recomendo este curso, meus parabéns pelo belo trabalho que você vem desempenhando.

    Responder
  2. Ranye Mendes

    Acupuntura Coreana nas Mãos (Sem Agulhas) apresenta uma técnica inédita e revolucionária para auxiliar nos tratamentos de diversas doenças e enfermidades. Excelente conteúdo e de muita qualidade, meus parabéns.

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *